Axilas à mostra

A estação mais quente do ano está chegando e as axilas ganham status de protagonista no verão, ficando à mostra nos looks à beira mar.

Muitas mulheres ficam incomodadas com as manchas, flacidez e sudorese intensa nesta região. Algumas relatam pelos encravados por conta da depilação com gilete ou cera.

Porém, todos esses problemas têm tratamento. A foliculite, infecção que se apresenta no formato de pequenas bolinhas semelhantes às espinhas, pode ser prevenida com hidratação, esfoliação e com depilação realizada no sentido do crescimento dos pelos. Outra solução é a depilação a laser. Como o procedimento é usado para enfraquecer o bulbo capilar, costuma ter um efeito satisfatório para os casos de foliculite, já que com a diminuição dos pelos, o processo inflamatório é reduzido.

A depilação a laser também ajuda a clarear a região e se for precisar um reforço podem ser indicadas sessões de peeling químico que provocam a descamação e a renovação da pele, ou de laser Erbium fracionado, indicado para hipercromias, uma vez que remove a mancha minimizando o efeito rebote de pigmentação, ou seja, que a mancha volte ainda pior.

Se o motivo de desconforto é gordura localizada, inclusive naquela dobrinha que se forma na região entre a axila e o seio, a radiofrequência injetável, um procedimento interno, realizado no consultório, com anestesia infiltrativa local pode ser indicada. É utilizada uma delicada cânula para aquecer a região tratada, promovendo a retração da pele em 3D com produção de colágeno a longo prazo.

Para flacidez nas axilas, um bom tratamento são injeções de ácido polilático, uma substância injetável que é um estimulador de colágeno.

Já para tratar o suor excessivo, as pacientes podem recorrer a tratamentos clínicos, como desodorantes manipulados, cremes e medicações e até aplicação de toxina botulínica. A substância é injetada no local da sudorese excessiva e paralisa a comunicação do nervo com a glândula sudorípara, melhorando a transpiração. O procedimento não apresenta nenhum risco e a paciente precisa refazer a aplicação em oito meses a um ano.

 

 

 

Saiba mais sobre